Proteção Respiratória

OSHA Respiratory Protection Standard 29 CFR 1910.134

03 abr 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
kompressor

Respiratory Protection Standard

29 CFR 1910.134

O requisito qualidade do ar respirável fornecido por equipamentos para respiração é muitas vezes um dos elementos menos compreendido de um programa de proteção respiratória. Respiradores com suprimento de ar (SAR) [1] e Aparelho de Respiração Autônoma (SCBA)[2] estão sujeitos a requisitos de qualidade do ar muito semelhantes. Embora a necessidade de fornecer uma fonte de ar “limpo” seja óbvia, existem  incógnitas não respondidas pela norma e isso torna ambígua algumas questões e requisitos. Este artigo tem por finalidade trazer alguma luz sobre o assunto “especificações do ar respirável” e apresentar algumas formas possíveis de garantir que a norma seja cumprida.


Especificações de qualidade do ar – OSHA  29 CFR 1910.134

Segundo a OSHA (Occupational Safety & Health Administration), o ar comprimido respirável deve satisfazer, pelo menos, os requisitos para Tipo 1 – Grau de respiração aérea D descrito na norma ANSI / CGA G-7.1-1989:·

  • Oxigênio:  19,5-23,5%
  • Conteúdo de hidrocarbonetos (condensado) de 5mg/m3 de ar ou menos
  • CO teor de 10 partes por milhão (ppm) ou menos
  • Teor de CO2 de 1.000 ppm ou menos
  • Sem odor perceptível
Os compressores de fornecimento de ar respirável para os respiradores devem ser equipadas com purificadores adequados nas linhas de ar, e filtros de leitos adsorventes que sejam mantidos e substituídos ou renovados conforme as instruções do fabricante.
Para compressores não lubrificados, os níveis de CO no ar, a respiração não deve exceder 10 ppm.
Para compressores lubrificados a óleo, a alta temperatura ou o alarme de CO, ou ambos, devem ser utilizados para monitorar os níveis de CO.
Se apenas os alarmes de alta temperatura são utilizados, o suprimento de ar deve ser monitorada em intervalos suficientes para evitar níveis de CO superiores a 10 ppm
O ponto de orvalho deve estar 10 °C abaixo da menor temperatura esperada ou -29 °C (400 PPM a 760 mmHg).
A norma deixa claro todos os parâmetros que a fonte de ar respirável deve apresentar, mas não diz de que maneira esses parâmetros devem ser obedecidos. Não é tratado de equipamentos de monitoramento ou tratamento de ar e a maneira como eles devam funcionar. Não é especificado nem mesmo a periodicidade com que essa monitoração dos parâmetros deva ser realizada. A norma entende que não há como criar um padrão que atenda a todos os clientes ou a todas as aplicações possíveis e por isso deixa a cargo de cada fabricante especificar a periodicidade com que os elementos filtrantes do ar respirável, catalisadores de co, filtros dos compressores, filtros de admissão de ar de salas, aparelhos de tratamento ou condicionamento de ar sejam substituídos. Por exemplo, a norma diz que o ar deve ser isento de odor, mas de que maneira isso deve ser obedecido uma vez que a sensibilidade de cada um varia muito em relação a cada odor possível, sem falar da infinidade de gases e concentrações variadas que pode afetar mais a uma pessoa do que outra.
A seguir está transcrito o item 1910.134 (i) do United States Department of Labor – OSHA (Occupational Safety & Health Administration). É a resposta de Richard E. Fairfax, Diretor do Programa de Conformidade da OSHA para assuntos da norma de ar respirável Grau D a uma pergunta realizada por um profissional da área. Veja o que ele diz com relação à monitoração de ar respirável:
August 13, 1999
Major Ellen England
IERA/RSHI
2513 Kennedy Circle
Brooks AFB TX 78235
 
Dear Major England:
“Thank you for your June 3, 1999 letter to the Occupational Safety and Health Administration’s (OSHA’s) Directorate of Compliance Programs (DCP). You have a question regarding portable breathing air compressors that are used to supply breathing air to a respirator. You specifically ask if an employer is required to collect samples of the breathing air generated from a portable breathing air compressor, or an electric compressor, to ensure that the compressed breathing air meets at least the requirements for Grade D breathing air.
 
No, the provisions in paragraph (i) in 29 CFR 1910.134, Respiratory Protection, do not apply to portable breathing air compressors (sometimes referred to as ambient air movers or free air pumps). The main concern with a portable breathing air compressor is the proper placement of the compressor. The employer must choose a location where the compressor will draw only clean breathing air from the surrounding environment. Furthermore, the standard requires employers to ensure that carbon monoxide levels in the breathing air do not exceed 10 ppm. With regard to portable breathing air compressors, the employer must measure carbon monoxide levels each time the compressor is moved to a new location.
 
Thank you for your interest in occupational safety and health. For your information, the original standard, 29 CFR 1910.134, OSHA Instruction CPL 2-0.120, and other materials are available on OSHA’s Internet website, http://www.osha.gov. We hope this information is helpful. If you have any further questions, please feel free to call OSHA’s Office of Health Compliance Assistance at (202) 693-2190”.
Sincerely,
Richard E. Fairfax, Director
Directorate of Compliance Programs
      Assim, o que se conclui é que em caso de equipamentos de recarga de cilindros SCBA, equipamentos de geração de ar respirável através de compressores portáteis ou sistemas de cascata, o que a norma exige é seja feita uma medição pontual e, no local onde será realizada a captação de ar. A norma não destaca se deve ser mantido um sistema de monitoramento fixo durante todo o tempo de operação para qualquer variável do ar respirável. É aconselhado, apenas, que o operador ou usuário do equipamento deve posicionar o equipamento de forma que impeça ou minimize as chances de captação de ar contaminado caso a atmosfera onde o equipamento esteja apresente algum tipo de contaminante.
      Esse tipo de abordagem não cobre uma lacuna com relação a variações da atmosfera ao longo do tempo em que o equipamento estiver energizado. Tome-se como exemplo um caminhão com motor a combustão interna movido a óleo diesel, localizado próximo a captação de ar desse equipamento portátil, ou ainda uma empilhadeira movida a GLP (gás liquefeito de petróleo), uma nuvem de gases produzida pela combustão desses motores pode contaminar a fonte de ar respirável portátil com monóxido de carbono ou ainda fazer com que o nível de oxigênio caia a níveis preocupantes e vir a causar até a morte de operadores. Por isso, algumas aplicações têm levado em conta esses riscos e adotado a utilização de medidores/detectores fixos próximos a captação desses equipamentos.        Assim, por um lado a norma é cumprida já que toda vez que o equipamento for ser utilizado o monitoramento é realizado ao longo do tempo e por outro lado evita-se que o compressor faça a captação de ar contaminado quando estiver em uso a qualquer momento. Ainda como parte do planejamento preventivo para esse tipo de problema, algumas industrias utilizam em suas plantas o uso de birutas e anemômetros para melhor prever e evitar acidentes com vazamentos de gases e vapores tóxicos ou asfixiantes.

[1] SAR (Respiradores de Suprimento de Ar):  Representa um dos mais altos níveis de proteção que os usuários podem utilizar. São desenvolvidos para continuamente fornecer-lhe um grau D de respiração. Geralmente são conectados a um compressor e / ou sistema em cascata. Geralmente esse tipo de equipamento é operado remotamente e independe as atuação do usuário.

[2] Equipamento autônomo de respiração (SCBA), um respirador atmosfera fornecimento para o qual a fonte de ar respirável é projetado para ser transportado pelo usuário.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>