Todos os post de Claudinei Machado

Criador do blog ArRespirável.com e ProteçãoRespiratória.com e CoFundador da Breathe Sistemas de Ar Respirável
Proteção Respiratória

Comprimento Máximo de Mangueira de Ar Respirável

04 mai 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Mangueira ar respirável comprimento máximo

Existem trabalhos de espaço confinado ou ainda em trabalhos planejados em atmosferas IPVS onde os sistemas de respiração autônomos ( self contained breathing apparatus, ou SCBA) não são suficientes para promover a quantidade ideal de ar mandado devido às limitações de capacidade que os cilindros de armazenamento de ar impõem. Invariavelmente, para tais aplicações a saída será a utilização de Supplied Air Respirator (SAR), que nada mais é do que uma fonte de ar externa com respirador (ar mandado).

Existem duas maneiras básicas de obter tais recursos:
  • A primeira é a través da utilização de baterias de cilindros de ar comprimido com grandes volumes (na casa de dezenas e centenas de metros cúbicos de volume), geralmente armazenados a altas pressões ( 1000 <= P <= 3000 psi).
  • A segunda maneira é através de redes de ar comprimido, seja ela proveniente de ar de utilidades da planta industrial ou ainda um sistema de geração, armazenamento e tratamento de ar dedicado para tal finalidade, ou seja, prover ar comprimido com qualidade garantida para os trabalhadores.

Comprimento Máximo de Mangueira de Ar Respirável

  •  O comprimento máximo, dos lances de mangueiras somados, não deve ultrapassar 91 metros (300 feet);
  • A pressão nas conexões de entrada das mangueiras nunca deve ultrapassar a pressão 8,5 bar (863 kN/m.2 , 125 pounds per square inch gage – psi);
Segue abaixo a tabela 8, Air-Supply-Line Requirements and Tests, da 42CFR Part 84 Subpart J.149.
Essa tabela apresenta os parâmetros que precisam ser seguidos para sistemas de fonte de ar respirável com respirador.



Table 8—Air-Supply-Line Requirements and Tests

[42 CFR part 84, subpart J]
Specific requirements
Requirements for the air-supply lines of the indicated type of supplied-air respirators
Type A
Type B
Type C
Length of hose
Maximum of 91 m. (300 feet), in multiples of 7.6 m. (25 feet)
Maximum of 23 m. (75 feet) in multiples of 7.6 m. (25 feet)
Maximum of 91 m. (300 feet) in multiples of 7.6 m. (25 feet). It will be permissible for the applicant to supply hose of the approved type of shorter length than 7.6 m. (25 feet) provided it meets the requirements of the part.
Air flow
None
None
The air-supply hose with air regulating valve or orifice shall permit a flow of not less than 115 liters (4 cubic feet) per minute to tight-fitting and 170 liters (6 cubic feet) per minute to loose-fitting respiratory-inlet coverings through the maximum length of hose for which approval is granted and at the minimum specified air-supply pressure. The maximum flow shall not exceed 425 liters (15 cubic feet) per minute at the maximum specified air-supply pressure with the minimum length of hose for which approval is granted.
Air flow
……do
……do
The air-supply hose, detachable coupling, and demand valve of the demand class or pressure-demand valve of the pressure-demand class for Type C supplied-air respirators, demand and pressure-demand classes, shall be capable of delivering respirable air at a rate of not less than 115 liters (4 cubic feet) per minute to the respiratory-inlet covering at an inhalation resistance not exceeding 50 millimeters (2 inches) of water-column height measured in the respiratory-inlet covering with any combination of air-supply pressure and length of hose within the applicant’s specified range of pressure and hose length. The air-flow rate and resistance to inhalation shall be measured while the demand or pressure-demand valve is actuated 20 times per minute by a source of intermittent suction. The maximum rate of flow to the respiratory-inlet covering shall not exceed 425 liters (15 cubic feet) per minute under the specified operating conditions.
Air-regulating valve
……do
……do
If an air-regulating valve is provided, it shall be so designed that it will remain at a specific adjustment, which will not be affected by the ordinary movement of the wearer. The valve must be so constructed that the air supply with the maximum length of hose and at the minimum specified air-supply pressure will not be less than 115 liters (4 cubic feet) of air per minute to tight-fitting and 170 liters (6 cubic feet) of air per minute of loose-fitting respiratory inlet coverings for any adjustment of the valve. If a demand or pressure-demand valve replaces the air-regulating valve, it shall be connected to the air-supply at the maximum air pressure for which approval is sought by means of the minimum length of air-supply hose for which approval is sought. The outlet of the demand or pressure-demand valve shall be connected to a source of intermittent suction so that the demand or pressure-demand valve is actuated approximately 20 times per minute for a total of 100,000 inhalations. To expedite this test, the rate of actuation may be increased if mutually agreeable to the applicant and NIOSH. During this test the valve shall function without failure and without excessive wear of the moving parts. The demand or pressure-demand valve shall not be damaged in any way when subjected at the outlet to a pressure or suction of 25 cm. (10 inches) of water gage for 2 minutes.
Noncollapsibility
The hose shall not collapse or exhibit permanent deformation when a force of 90 kg. (200 pounds) is applied for 5 minutes between 2 planes 7.6 cm. (3 inches) wide on opposite sides of the hose
Same as Type A
None.
Nonkinkability
None
None
A 7.6 m. (25 foot) section of the hose will be placed on a horizontal-plane surface and shaped into a one-loop coil with one end of the hose connected to an airflow meter and the other end of the hose supplied with air at the minimum specified supply pressure. The connection shall be in the plane of the loop. The other end of the hose will be pulled tangentially to the loop and in the plane of the loop until the hose straightens. To meet the requirements of this test the loop shall maintain a uniform near-circular shape and ultimately unfold as a spiral, without any localized deformation that decreases the flow of air to less than 90 percent of the flow when the hose is tested while remaining in a straight line.
Strength of hose and couplings
Hose and couplings shall not separate or fail when tested with a pull of 113 kg. (250 pounds) for 5 minutes
Same as Type A
Hose and couplings shall not exhibit any separation or failure when tested with a pull of 45 kg. (100 pounds) for 5 minutes and when tested by subjecting them to an internal air pressure of 2 times the maximum respirator-supply pressure that is specified by the applicant or at 173 kN/m. 2 (25 pounds per square inch) gage, whichever is higher.
Tightness
No air leakage shall occur when the hose and couplings are joined and the joint(s) are immersed in water and subjected to an internal air pressure of 35 kN/m. 2 (5 pounds per square inch) gage
None
Leakage of air exceeding 50 cc. per minute at each coupling shall not be permitted when the hose and couplings are joined and are immersed in water, with air flowing through the respirator under a pressure of 173 kN/m. 2 (25 pounds per square inch) gage applied to the inlet end of the air-supply hose, or at twice the maximum respirator-supply pressure that is specified by the applicant, whichever is higher.
Permeation of hose by gasoline
The permeation of the hose by gasoline will be tested by immersing 7.6 m. (25 feet) of hose and one coupling in gasoline, with air flowing through the hose at the rate of 8 liters per minute for 6 hours. The air from the hose shall not contain more than 0.01 percent by volume of gasoline vapor at the end of the test
Same as for Type A
Same as for Type A, except the test period shall be 1 hour.
Detachable coupling
None
None
A hand-operated detachable coupling by which the wearer can readily attach or detach the connecting hose shall be provided at a convenient location. This coupling shall be durable, remain connected under all conditions of normal respirator use, and meet the prescribed tests for strength and tightness of hose and couplings.

 

Para maiores informações: 

Proteção Respiratória

Formação de Monóxido de Carbono em Compressores de Ar

04 mai 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Arcofil com Monitor de CO

Cavelete filtrante com monitor de CO

O processo de compressão do ar

Em condições normais de uso, os compressores de ar apresentam poucas chances de gerar monóxido de carbono, ou vez que as temperaturas de trabalho e as características do lubrificante estejam em dia. O problema ocorre toda vez que os compressores ultrapassam sua temperatura de trabalho, ou ainda que a qualidade do lubrificante seja duvidosa ou com as propriedades vencidas. Nesse caso, se houver um sobreaquecimento no cabeçote de compressão (ou outro mecanismo qualquer responsável pela compressão) juntamente com o óleo lubrificante e pouco oxigênio proveniente do processo, pode gerar monóxido de carbono.
O carbono sofre oxidação através da combinação com o oxigênio a temperatura mais elevada para formar óxidos,tal como o monóxido de carbono (CO) e o dióxido de carbono (CO2). O monóxido de carbono é formado, quando a combustão é incompleta, ou seja, pobre em oxigênio. Portanto:

CO está presente nos escapamentos de automóveis (quando há uma combustão incompleta), gases vulcânicos, gases da chaminés, etc.
 FONTE: 

UNITED STATES DEPARTMENT OF LABOR – Ocuppational Safety & Health Administration, Standard Interpretation, Disponível em: <http://www.osha.gov/pls/oshaweb/owadisp.show_document?p_table=INTERPRETATIONS&p_id=22882> Acessado em : 16 de abril de 2012

Proteção Respiratória

Ar Grau D 

04 mai 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Ar Grau D

Ar Grau D Especificações Técnicas do Ar Respiravel

As especificações completas estão detalhadas na norma ANSI/Compressed Gas Association Commodity Specification for Air, G-7.1-1989, que incluem:

  • Teor de oxigênio: 19,5 ≤ O2 ≤ 23,5%
  • Teor de hidrocarboneto (condensado): ≤ 5 mg/m3
  • Teor de monóxido de carbono (CO): ≤10 ppm
  • Teor de dióxido de carbono: ≤ 1000 ppm
  • Sem odor perceptível

Ar Grau D Especificações Respiratórias 10.134 (i) (1) (ii)

 


Referência: 29CFR1910.134 (i) (1) (ii)
Veja a tabela completa
Grau D
Proteção Respiratória

O que é sulfeto de hidrogênio?

04 mai 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
H2S - tóxico

O H2S em excesso pode interromper o centro respiratório no cérebro, que pode causar a morte. Pode ser possível reanimar a vítima, mas somente se os primeiros socorros forem aplicados adequadamente e rapidamente.

O H2S se dissolve em água e óleo, e pode ser liberado quando esses líquidos são aquecidos, despressurizados ou agitados.      H2S é um gás muito tóxico. Ele não tem cor, mas cheira como ovos podres. Em grandes quantidades, H2S rapidamente bloqueia o sentido do olfato. É por isso que o odor não deve nunca ser usado para indicar níveis de H2S. O gás pode irritar os olhos, nariz, garganta e pulmões.

Como o H2S é mais pesado que o ar, pode se estabelecer em galerias subterrâneas e próximo ao solo. Isso pode representar riscos ao entrar nas áreas onde o gás pode estiver presente.

O H2S queima e explode facilmente. Quando queima, H2S emite dióxido de enxofre, outro gás que é perigoso tóxico, de cheiro forte e irritante.

FONTE:NORMA REGULAMENTADORA 15. Atividades e Operações Insalubres. Quadro n° 1 – Tabela de Limites de Tolerância. 
PPR Proteção Respiratória Sistemas

Enchimento de cilindros de máscara autônoma com ar respirável

03 abr 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Recarga de Cilindros de Ar Comprimido Respirável

Enchimento de cilindros de máscara autônoma com ar respirável

Uma necessidade básica quando se utiliza uma máscara autônoma para situações de emergência ou pequenos trabalhos em espaço confinado é enchimento, ou recarga, desses cilindros após o uso.

Para isso deve-se garantir que a qualidade do ar comprimido respirável esteja adequada aos padrões exigidos pela legislação. No Brasil o padrão do ar respirável é definido pela ABNT NBR 12543:2017, que traz em seu ANEXO A uma tabela com as concentrações máximas permitidas para cada gás e ainda a taxa mínima e máxima da concentração do oxigênio (O2).  A tabela do Anexo A da NBR 12543 é cópia da CGA G-7.1:2011, ar respirável grau D.

De modo geral os cilindros de ar respirável utilizados nas máscaras autônomas são de aço (para pressão de trabalho de até 200 bar) ou de composite (para pressão de trabalho de até 300 bar).  O ar comprimido respirável deve ser isento de impurezas, de água condensada, com ponto de orvalho adequado, isento de óleo e odor. Para isso a tabela do ar respirável determinas algumas condições mínimas que devem ser seguidas conforme abaixo.

Qual o padrão do Ar Respirável para enchimento de cilindros

O ar respirável deve ter as seguintes concentrações:

Limites de Exposição e Descrições
oxigênio 19,5 a 23,5% (Vol.)
Água Ausente
Ponto de Orvalho  -10°C, abaixo da menor temperatura ambiente esperada
Óleo condensado 5 mg/m3, nas  C.N.T.P
Odor Isento
Dióxido de carbono  < 1000 ppm

Outras aplicações com cilindros de Ar Comprimido Respirável

O uso de cilindros de ar comprimido respirável também é feito em trabalhos de espaço confinado e outras atividades onde seja exigida uma reserva de ar adicional em caso de falhas ou problemas com o ar mandado.   Uma dessas exigências é feita pela NR 33 para trabalhos em atmosferas IPVS ou atmosferas onde não se conheça ou não se tenha controle da concentração de oxigênio do local onde serão executados os trabalhos.

Os mergulhadores profissionais também costumam utilizar fontes de ar comprimido validada para garantir que o ar utilizado para fins ocupacionais não contenha óleos minerais e gases tóxicos. Vale lembrar que nem sempre o problema da qualidade do ar comprimido respirável está no risco imediato da inalação desse gás mas no risco cumulativo de óleos minerais e outros agentes que podem desencadear uma doença respiratória crônica, um carcinoma ou mesmo levar a morte.

No caso da utilização das máscaras autônomas os profissionais que mais se utiliza desse tipo de reserva de ar são os bombeiros. Devido a complexidade das atividades desenvolvidas por esses profissionais o uso de máscara autônoma (conjunto autônomo) é imprescindível.

O enchimento de Cilindros

O sistema de recarga de cilindros deve prever uma forma de validar a qualidade do ar respirável que está sendo armazenada. Por muitos anos o mercado tem se utilizado de tubos colorimétricos para validar uma amostra de ar comprimido respirável porém essa forma de medição além de ultrapassada e imprecisa (pode chegar a 25% de erro) não garante que o ar comprimido armazenado em determinado momento esteja dentro dos padrões. Isso porque o uso desses tubos garante apenas que a amostra utilizada naquele determinado momento contenha ou não os padrões mínimos exigidos pela legislação. Nos Estados Unidos a OSHA exige que toda aplicação com uso de ar comprimido proveniente de compressores tenha um monitor de CO em linha (clique aqui para ver o artigo da OSHA que contém essa informação).

Na Breathe utilizamos nosso próprio monitor de gases do ar respirável (XAR8000) certificado por órgão acreditado RBC/INMETRO para garantir que os padrões de ar respirável estejam dentro dos limites definidos pela NBR 12543:2017. Nosso painel de enchimento de cilindros possui monitor da temperatura e umidade do ar, ponto de orvalho, concentração de CO, O2, CO2 e VOC(PID).

Todo cilindro que é recarregado recebe um laudo da qualidade do ar amostrado durante o enchimento e isso garante que cada cilindro de cada lote passou pelos critérios de qualidade estabelecidos pela NBR 12543 (clique aqui para saber mais sobre o XAR8000 e utilizá-lo para validar suas recargas).

Para detalhes específicos, por favor, faça uma consulta usando o nosso Formulário de Contato. Conheça a política de preços, vantagens e facilidades desse tipo de serviço com a Breathe.

Facilidades de enchimento de cilindros para todo seu processo

A Breathe possui uma política de serviços de enchimento de cilindros para cada tipo de demanda: bombeiros, recarga anual, recarga para paradas de manutenção, locação de bancos de ar comprimido respirável (fixo ou móvel),  Locação de estação de enchimento de cilindros móvel ou fixo.

Além disso, todos os serviços e equipamentos ofertados incluem treinamento operacional, manutenção e uso. Nossa ampla gama de serviços inclui:

  • Reboque (unidade móvel) de compressor de ar móvel (para recarga de cilindros, para ar mandado ou ambos);
  • Teste e garantia da qualidade do Ar respirável “ Grau D” de alta pureza, no local;
  • Sistemas de ar comprimido de alta pressão e baixa pressão;
  • Sistemas bem dimensionados com pressão e vazão para cada aplicação;
  • Sistemas de filtragem, purificação e controle da qualidade do ar de alto desempenho;
Proteção Respiratória

OSHA Respiratory Protection Standard 29 CFR 1910.134

03 abr 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
kompressor

Respiratory Protection Standard

29 CFR 1910.134

O requisito qualidade do ar respirável fornecido por equipamentos para respiração é muitas vezes um dos elementos menos compreendido de um programa de proteção respiratória. Respiradores com suprimento de ar (SAR) [1] e Aparelho de Respiração Autônoma (SCBA)[2] estão sujeitos a requisitos de qualidade do ar muito semelhantes. Embora a necessidade de fornecer uma fonte de ar “limpo” seja óbvia, existem  incógnitas não respondidas pela norma e isso torna ambígua algumas questões e requisitos. Este artigo tem por finalidade trazer alguma luz sobre o assunto “especificações do ar respirável” e apresentar algumas formas possíveis de garantir que a norma seja cumprida.


Especificações de qualidade do ar – OSHA  29 CFR 1910.134

Segundo a OSHA (Occupational Safety & Health Administration), o ar comprimido respirável deve satisfazer, pelo menos, os requisitos para Tipo 1 – Grau de respiração aérea D descrito na norma ANSI / CGA G-7.1-1989:·

  • Oxigênio:  19,5-23,5%
  • Conteúdo de hidrocarbonetos (condensado) de 5mg/m3 de ar ou menos
  • CO teor de 10 partes por milhão (ppm) ou menos
  • Teor de CO2 de 1.000 ppm ou menos
  • Sem odor perceptível
Os compressores de fornecimento de ar respirável para os respiradores devem ser equipadas com purificadores adequados nas linhas de ar, e filtros de leitos adsorventes que sejam mantidos e substituídos ou renovados conforme as instruções do fabricante.
Para compressores não lubrificados, os níveis de CO no ar, a respiração não deve exceder 10 ppm.
Para compressores lubrificados a óleo, a alta temperatura ou o alarme de CO, ou ambos, devem ser utilizados para monitorar os níveis de CO.
Se apenas os alarmes de alta temperatura são utilizados, o suprimento de ar deve ser monitorada em intervalos suficientes para evitar níveis de CO superiores a 10 ppm
O ponto de orvalho deve estar 10 °C abaixo da menor temperatura esperada ou -29 °C (400 PPM a 760 mmHg).
A norma deixa claro todos os parâmetros que a fonte de ar respirável deve apresentar, mas não diz de que maneira esses parâmetros devem ser obedecidos. Não é tratado de equipamentos de monitoramento ou tratamento de ar e a maneira como eles devam funcionar. Não é especificado nem mesmo a periodicidade com que essa monitoração dos parâmetros deva ser realizada. A norma entende que não há como criar um padrão que atenda a todos os clientes ou a todas as aplicações possíveis e por isso deixa a cargo de cada fabricante especificar a periodicidade com que os elementos filtrantes do ar respirável, catalisadores de co, filtros dos compressores, filtros de admissão de ar de salas, aparelhos de tratamento ou condicionamento de ar sejam substituídos. Por exemplo, a norma diz que o ar deve ser isento de odor, mas de que maneira isso deve ser obedecido uma vez que a sensibilidade de cada um varia muito em relação a cada odor possível, sem falar da infinidade de gases e concentrações variadas que pode afetar mais a uma pessoa do que outra.
A seguir está transcrito o item 1910.134 (i) do United States Department of Labor – OSHA (Occupational Safety & Health Administration). É a resposta de Richard E. Fairfax, Diretor do Programa de Conformidade da OSHA para assuntos da norma de ar respirável Grau D a uma pergunta realizada por um profissional da área. Veja o que ele diz com relação à monitoração de ar respirável:
August 13, 1999
Major Ellen England
IERA/RSHI
2513 Kennedy Circle
Brooks AFB TX 78235
 
Dear Major England:
“Thank you for your June 3, 1999 letter to the Occupational Safety and Health Administration’s (OSHA’s) Directorate of Compliance Programs (DCP). You have a question regarding portable breathing air compressors that are used to supply breathing air to a respirator. You specifically ask if an employer is required to collect samples of the breathing air generated from a portable breathing air compressor, or an electric compressor, to ensure that the compressed breathing air meets at least the requirements for Grade D breathing air.
 
No, the provisions in paragraph (i) in 29 CFR 1910.134, Respiratory Protection, do not apply to portable breathing air compressors (sometimes referred to as ambient air movers or free air pumps). The main concern with a portable breathing air compressor is the proper placement of the compressor. The employer must choose a location where the compressor will draw only clean breathing air from the surrounding environment. Furthermore, the standard requires employers to ensure that carbon monoxide levels in the breathing air do not exceed 10 ppm. With regard to portable breathing air compressors, the employer must measure carbon monoxide levels each time the compressor is moved to a new location.
 
Thank you for your interest in occupational safety and health. For your information, the original standard, 29 CFR 1910.134, OSHA Instruction CPL 2-0.120, and other materials are available on OSHA’s Internet website, http://www.osha.gov. We hope this information is helpful. If you have any further questions, please feel free to call OSHA’s Office of Health Compliance Assistance at (202) 693-2190”.
Sincerely,
Richard E. Fairfax, Director
Directorate of Compliance Programs
      Assim, o que se conclui é que em caso de equipamentos de recarga de cilindros SCBA, equipamentos de geração de ar respirável através de compressores portáteis ou sistemas de cascata, o que a norma exige é seja feita uma medição pontual e, no local onde será realizada a captação de ar. A norma não destaca se deve ser mantido um sistema de monitoramento fixo durante todo o tempo de operação para qualquer variável do ar respirável. É aconselhado, apenas, que o operador ou usuário do equipamento deve posicionar o equipamento de forma que impeça ou minimize as chances de captação de ar contaminado caso a atmosfera onde o equipamento esteja apresente algum tipo de contaminante.
      Esse tipo de abordagem não cobre uma lacuna com relação a variações da atmosfera ao longo do tempo em que o equipamento estiver energizado. Tome-se como exemplo um caminhão com motor a combustão interna movido a óleo diesel, localizado próximo a captação de ar desse equipamento portátil, ou ainda uma empilhadeira movida a GLP (gás liquefeito de petróleo), uma nuvem de gases produzida pela combustão desses motores pode contaminar a fonte de ar respirável portátil com monóxido de carbono ou ainda fazer com que o nível de oxigênio caia a níveis preocupantes e vir a causar até a morte de operadores. Por isso, algumas aplicações têm levado em conta esses riscos e adotado a utilização de medidores/detectores fixos próximos a captação desses equipamentos.        Assim, por um lado a norma é cumprida já que toda vez que o equipamento for ser utilizado o monitoramento é realizado ao longo do tempo e por outro lado evita-se que o compressor faça a captação de ar contaminado quando estiver em uso a qualquer momento. Ainda como parte do planejamento preventivo para esse tipo de problema, algumas industrias utilizam em suas plantas o uso de birutas e anemômetros para melhor prever e evitar acidentes com vazamentos de gases e vapores tóxicos ou asfixiantes.

[1] SAR (Respiradores de Suprimento de Ar):  Representa um dos mais altos níveis de proteção que os usuários podem utilizar. São desenvolvidos para continuamente fornecer-lhe um grau D de respiração. Geralmente são conectados a um compressor e / ou sistema em cascata. Geralmente esse tipo de equipamento é operado remotamente e independe as atuação do usuário.

[2] Equipamento autônomo de respiração (SCBA), um respirador atmosfera fornecimento para o qual a fonte de ar respirável é projetado para ser transportado pelo usuário.

Proteção Respiratória

CGA G-7.1 – Ar Respirável Grau D

03 abr 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Control the air in the pneumatic system, automatic

CGA G-7.1 – Ar Respirável Grau D

Desde 13 de dezembro de 2011 há uma nova edição da CGA G-7.1. A página 12 especifica as características do ar.. A especificação página 12 descreve os requisitos para o ar. Ele é datado de 13 de outubro de 2011 e substitui a 5 ª edição de 2004. Era anteriormente conhecida como ANSI Z86.1, “ar respirável”. O documento amplamente utilizado fornece dados sobre sistemas de qualidade, amostragem, verificação de procedimentos analíticos, contentores, usos típicos de vários graus (QVLs) e tabelas de especificação suplementar. A edição anterior (1989) é citada em 29 CFR. Deve notar-se que esta especificação abrange ar, incluindo de grau médico, ar, mas não de oxigênio. Se você precisar de uma especificação para o oxigênio, você precisa usar CGA G4.3, “Especificação de Mercadorias para o oxigênio.” CGA G7.1 e todos os padrões da Associação de Gás Comprimido pode ser comprado na internet em diversos sites como o a CGANET e a Document Center

Vale lembrar que a CGA G-7.1 é uma das normas bases da NBR 12543, de 1999 e por isso a sua importância para nós no Brasil. 

Proteção Respiratória

Os riscos do N-Hexano

02 abr 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
N-Hexano Riscos
Molécula de n-hexano
O n-hexano é um hidrocarboneto da família dos alcanos com fórmula molecular C6H14. É um componente comum da gasolina. O n-hexano pode ser obtido através do aquecimento da gasolina, obtida anteriormente através da destilação direta de óleo cru (petróleo). Quando a gasolina é aquecida na presença de catalisador de platina, para a obtenção de benzeno e tolueno que são muito utilizados como matéria prima pelas indústrias de pólo petroquímicas, um subproduto é o n-hexano. Mas a principal forma de obtenção do produto ainda é a refinação de petróleo bruto. A composição exata da fração depende largamente da origem do petróleo (em bruto ou reformado) e as limitações da refinação.

Problemas relacionados a exposição do n-hexano

A exposição ao n-hexano pode causar:
·        Irritação dérmica (quando absorvido pela pele)
·        Afeta o sistema nervoso central causando diminuição da visão
·        Diminuição da memória
·        Confusão mental
·        Tonturas
·        Perda da coordenação
·        Dor de cabeça
·        Náuseas
A exposição crônica pode agravar:
·        Doenças cardiovasculares,
·        Doenças respiratórias,
·        Doenças de pele
·        Desordem no sangue

As empresas cada vez mais tem se preocupado com a exposição ocupacional da força de trabalho a riscos como o n-hexano, o benzeno, a nafta entre outros. No passado, essas medidas não eram tomadas devido a não comprovação científica ou ao apoio dos órgãos governamentais responsáveis pela a saúde ocupacional. Outro motivo era porque os sindicatos, as CIPAS e as normas não possuíam força suficiente para promover tal campanha de combate à exposição a tais riscos. Hoje no mercado existem transmissores e detectores para quase todas as famílias de hidrocarbonetos, inclusive o benzeno, o tolueno, o xileno e o n-hexano.

Proteção Respiratória

Comissão Nacional Permanente de Benzeno – CNPBz

02 abr 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
benzeno - CNPBz

A CNPBz foi produto de um processo negocial que culminou com a efetivação do Acordo Nacional do Benzeno, firmado em 20 de dezembro de 1995 e regulamentado através da Portaria SSST n.º 14 de 20 de dezembro de 1995, publicada no DOU de 22 de dezembro de 1995, com o objetivo de acompanhar a implementação do Acordo e do Anexo 13 – A da NR 15 – Atividades e Operações Insalubres.

A CNPBz tem por princípio a busca de soluções condensadas para a implementação do Acordo Nacional do Benzeno e é composta pelos representantes titulares e suplentes da Bancada do Governo (Ministério do Trabalho e Emprego / Secretaria de Inspeção do Trabalho / Departamento de Segurança e Saúde no Trabalho; Ministério do Trabalho e Emprego / FUNDACENTRO-CTN; Ministério da Saúde / FIOCRUZ; Ministério da Previdência e Assistência Social / INSS; e Ministério do Desenvolvimento, da Indústria e do Comércio), da Bancada dos Trabalhadores (Central Única dos Trabalhadores – CUT; Força Sindical – FS; e Confederação Nacional dos Trabalhadores na Indústria – CNTI) e da Bancada dos Empregadores (Confederação Nacional da Indústria – CNI; Sindicato da Indústria de Produtos Químicos para fins Industriais e da Petroquímica no Estado de São Paulo – SIMPROQUIM; Instituto Brasileiro de Siderurgia – IBS; Associação Brasileira da Indústria Química – ABIQUIM; Instituto Brasileiro do Petróleo – IBP; Petróleo Brasileiro S/A – PETROBRÁS).

Proteção Respiratória

Limites de Exposição para o Benzeno

31 mar 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Limites de exposição do benzeno

Limites de Exposição para o Benzeno

Na verdade não existem limites de exposição para o benzeno, a princípio qualquer exposição ao benzeno pode ser prejudicial à saúde.  De modo geral, cada organismo reage de um jeito quando exposto a tal variável. Por isso não se deve permitir qualquer exposição.

Concentrações de benzeno de cerca de 20.000 p.p.m são fatais para seres humanos no intervalo de 5 a 10 minutos.Apesar de não existir um limite de exposição para o benzeno, existe um valor de referência tecnológico (VRT) que é de 1 p.p.m.

A American Conference of Governmental Industrial Hygienists (ACGIH) define o VRT como 0,5 p.p.m.

O National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) estabelece um IPVS (índice imediatamente perigoso a vida e a saúde) para o benzeno o valor de 500 ppm (NIOSH, 1994).

Proteção Respiratória

Locação de Equipamentos para Espaço Confinado

31 mar 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Unidade Móvel de Suprimento Ar Respiravel

Locação de Equipamentos para Espaço Confinado

Locação de Unidade Móvel de Ar Respirável (UMAR)

Unidade Móvel de Ar Respirável – Titã 50 P

  • Pressão de trabalho: 5 a 8 bar;
  • Vazão Ar:  Até 8 usuários com máscaras de fluxo contínuo;
  • BackUp Ar – Redundância: 4 ou 8 cilindros de 10m3  de ar; respirável (cada);
  • Analisador de Gases:  Temperatura, umidade relativa, CO, CO2, O2, VOL e H2S;
  • Alarmes: Visuais e Sonoros (90 dB), indicando entrada dos cilindros, má qualidade do ar,  término dos cilindros;

 

Unidade movel de ar respiravel
Unidade movel de ar respiravel
Cilindros de Suprimento de Ar - Redundância
Cilindros de Suprimento de Ar – Redundância

Unidade Móvel de Ar Respirável – Titã 20 P

  • Pressão de trabalho: 8 a 10 bar;
  • Vazão Ar: Até 3 usuários com máscaras de fluxo contínuo;
  • BackUp Ar – Redundância: Até 4 cilindros de 10m3 de ar respirável (cada);
  • Analisador de Gases: Temperatura, umidade relativa, CO, CO2, O2, VOL e H2S (Com certificado RBC/INMETRO, ABNT ISO 17025 – opcional);
  • Alarmes: Visuais e Sonoros (90 dB), indicando entrada dos cilindros, má qualidade do ar, término dos cilindros;
  • Alarme e backUp para falta de energia: Mantem todas as informações no painel mesmo sem energia elétrica;
  • Laudos e Relatórios Online: Pode ser configurado com impressora e/ou registros eletrônicos da qualidade do ar respirável (minuto a minuto);

 

Carrinhos de Suprimento de Ar com Purificador e Detector Multigases Ar Respirável para Espaço Confinado

Carrinho de Suprimento de Ar para Espaço Confinado

Carrinho de Suprimento de Ar para Espaço Confinado

  • Ideal para trabalhos em espaço confinado;
  • Suprimento de até 3300 litros ar;
  • Alarmes: Possui alarmes para falta de energia, Baixa Pressão da rede de ar comprimido, baixa pressão dos cilindros, Má qualidade do Ar, CO, Filtros Vencidos, Calibração e Sensores vencidos;
  • Alarme e backUp para falta de energia: Mantem todas as informações no painel mesmo sem energia elétrica;
  • Laudos e Relatórios Online: Pode ser configurado com impressora e/ou registros eletrônicos da qualidade do ar respirável (minuto a minuto);

 

Arcofil com Monitor de CO
Arcofil com Monitor de CO

Locação de Arcofil com Detector de CO

  • Ideal para trabalhos em Espaço Confinado
  • De acordo com o Novo PPR da Fundacentro, 4° Revisão 2016 – que exige o monitoramento online da rede de ar comprimido
  • Sensores de baixo custo
  • Calibração fácil
  • Fácil Manuseio
  • Robusto
  • Capaz de acionar um alarme remoto, uma sirene, alarme visual ou desligamento de um compressor de ar
  • Opção para monitoramento da Concentração de CO na Rede de Ar Comprimido

 

Mangueiras e Acessórios para Ar Comprimido Respirável – Ar Mandado

Mangueira Atóxica para Ar Respirável
Mangueira Atóxica para Ar Respirável

 

Engates Dupla Trava para Ar RFespirável
Engates Dupla Trava para Ar Respirável
Proteção Respiratória

Manual de Proteção Respiratória

31 mar 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Manual_de_Protecao_Respiratoria

O livro Manual de Proteção Respiratória do Dr Maurício Torloni em co-autoria com o Prof° Antônio Vladimir Vieira é o maior guia sobre o assunto no Brasil. 

     O livro aborda um pouco da biologia do sistema respiratório, trata amplamente da exposição aos agentes químicos e toxicologia, riscos respiratórios e deficiência de oxigênio, riscos respiratórios e agentes químicos, equipamentos de proteção respiratória, filtros para aerodispersóides, filtros químicos, trata de forma objetiva a seleção de respiradores para uso rotineiro, para uso em emergência, para uso em escape e resgate. Cobre ainda o assunto relacionado a respiradores contra bacilos da tuberculose, antraz e o vírus SARS. O livro dedica um capítulo somente para Ar Respirável, outro sobre limpeza, higienização e manutenção dos respiradores. Os autores utilizam uma linguagem clara o objetiva e cobrem todos os por menores relacionados aos tópicos citados ou tratados durante a leitura sem fazer muitas citações a livros ou tópicos externos.
     É uma ótima dicas pra quem quiser se aprofundar no assunto. Não deixe de ler também a Nova Revisão do Programa de Proteção Respiratória (PPR) da Fundacentro. Clique aqui para fazer o Download
O livro Manual de Proteção Respiratória pode ser adquirido na ABHO através do site:
Fisiologia Respiratória Proteção Respiratória

Fisiologia Respiratória – Pressão Parcial

30 mar 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Pressão Parcial de O2

Fisiologia Respiratória – Pressão Parcial

Pressão parcial é a pressão exercida individualmente por um gás dentro de uma mistura com outros gases. O ar que respiramos é uma mistura de gases: basicamente, nitrogênio (N2), oxigênio (O2) e dióxido de carbono (CO2). Por Exemplo, se soprarmos um balão até enchê-lo, a pressão do ar que o preencheu é a combinação das pressões parciais de todos os gases contidos na nossa respiração, no caso nossa expiração. Essa parte da pressão total gerada pelo oxigênio é a pressão parcial de oxigênio, ou seja, é a contribuição do O2 para a pressão total, enquanto que a pressão gerada pelo dióxido de carbono é a pressão parcial de dióxido de carbono e assim por diante. Uma pressão parcial de gás, portanto, é uma medida de quanto do gás está presente (por exemplo, no sangue ou alvéolos).
A pressão parcial exercida por cada gás numa mistura é igual à pressão total atmosférica (se for ao nível do mar será 760 mmHg) multiplicado pela composição fracionada do gás na mistura, no caso do oxigênio (21% – 0,21). Assim, dado que a pressão atmosférica total (ao nível do mar) é de cerca de 760 mm Hg e, ainda, que o ar tem cerca de 21% de oxigênio (O2), a pressão parcial de oxigênio no ar é 0,21 vezes 760 mm Hg ou 160 mmHg – ou ppO2 = 160 mmHg.
  Assim, a pressão parcial de cada componente será:
ppO2 = 20,9 x 760 / 100 = 159 mmHg
ppCO2 = 0,04 x 760 / 100 = 3 mmHg e
ppN2 = 79,06 x 760 / 100 = 598 mmHg
e, portanto a soma das pressões parciais é 760 mmHg
                
No estudo da fisiologia respiratória e dos riscos respiratórios, a grandeza mais importante não é a porcentagem de oxigênio existente no ar, mas a sua pressão parcial, uma vez que 20,9% de oxigênio pode ser fatal ao ser humano em razão da falta de oxigênio para as funções vitais. (TORLONI, VLADIMIR. O sistema respiratório. Manual de proteção respiratória. Publicado por ABHO. Volume 1 , capítulo 2, página 45).

Abaixo eu postei um vídeo com as animações e explicações das trocas gasosas que acontecem no interior das células. Apesar de estar em inglês a animação por si só define muito bem a mecânica das trocas gasosas da fisiologia respiratória.

Animação das trocas gasosas

Anatomia Humana – Sistema Respiratório – Hematose: A Troca de Gases nos Pulmões

 Nesta vídeo aula sobre o sistema respiratório o Prof. Rogério Gozzi descreve o processo de trocas gasosas entre os pulmões e o ar ambiente, denominado hematose ou respiração pulmonar.

FONTES:
  1.  TORLONI, VLADIMIR. O sistema respiratório. Manual de proteção respiratória. Publicado por ABHO. Volume 1 , capítulo 2, página 45
    Eastern Kentucky University, Human Physiology. Disponível em: <http://people.eku.edu/ritchisong/301notes6.htm>. Acessado em: 11 de Maio de 2012. 
Proteção Respiratória

Monóxido de Carbono em Compressores de Ar

30 mar 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
BRTH 048

Monóxido de Carbono em Compressores de Ar

O processo de compressão do ar e a formação de monóxido de carbono (CO)

Em condições normais de uso, os compressores de ar apresentam poucas chances de gerar monóxido de carbono, ou vez que as temperaturas de trabalho e as características do lubrificante estejam em dia. O problema ocorre toda vez que os compressores ultrapassam sua temperatura de trabalho, ou ainda que a qualidade do lubrificante seja duvidosa ou com as propriedades vencidas. Nesse caso, se houver um sobreaquecimento no cabeçote de compressão (ou outro mecanismo qualquer responsável pela compressão) juntamente com o óleo lubrificante e pouco oxigênio proveniente do processo, pode gerar monóxido de carbono.
O carbono sofre oxidação através da combinação com o oxigênio a temperatura mais elevada para formar óxidos,tal como o monóxido de carbono (CO) e o dióxido de carbono (CO2). O monóxido de carbono é formado, quando a combustão é incompleta, ou seja, pobre em oxigênio. Portanto:

CO está presente nos escapamentos de automóveis (quando há uma combustão incompleta), gases vulcânicos, gases da chaminés, etc.
Segue abaixo o diagrama da compressor do ar (O2 ou CO2) e a formação de CO proveniente da mistura pobre.
 

Como evitar o risco de monóxido de carbono (CO) no suprimento de Ar Respirável

A Breathe desenvolveu um monitor de CO de baixo custo e ideal par atender as aplicações onde se é utilizado o ar comprimido respirável para fins ocupacionais.

O XAR-LC é interligado em um ramal da linha de ar comprimido e dessa forma passa a garantir em tempo real que a concentração de CO não atinja ou exceda os limites ocupacionais.  A norma ABNT NBR 12543:2017, por exemplo, determina que esse limite não exceda 10 ppm. O XAR-LC possui uma interface de leds que indicam o nível de CO na linha de ar (bargraf) e quando o limite é atingido, um alarme sonoro e visual é emitido para informar a situação. O dispositivo possui ainda uma saída de acionamento de alarmes remotos que pode desligar um compressor ou mesmo ligar uma sirene um alarme visual a distância. O XAR-LC é ainda perfeito para atender a nova revisão do PPR da Fundacentro que exige a utilização de monitor de CO na rede de ar quando for se utilizar de ar comprimido respirável para fins ocupacionais.

Folha de Dados – Datasheet – Folder do XAR-LC (Clique Aqui)

FONTE: 
  1. UNITED STATES DEPARTMENT OF LABOR – Ocuppational Safety & Health Administration, Standard Interpretation, Disponível em:  <http://www.osha.gov/pls/oshaweb/owadisp.show_document?p_table=INTERPRETATIONS&p_id=22882> Acessado em : 16 de abril de 2012
PPR Proteção Respiratória Sistemas

Os riscos do chumbo tetraetila

30 mar 18 Por Claudinei Machado 0 comentários
Riscos químicos chumbo
Painel Informativo

O que é o chumbo? 

O chumbo é um metal tóxico, pesado, macio, maleável e condutor de eletricidade. Apresenta coloração branco-azulada quando recentemente cortado, porém adquire coloração acinzentada quando exposto ao ar. 

Onde é usado o chumbo?

É usado na construção civil, baterias do tipo chumbo/ácido, em munição, proteção contra raios-X e raios gama e forma parte de ligas metálicas para a produção de soldas, fusíveis, revestimentos de cabos elétricos, materiais antifricção, metais de tipografia e outros.
Massa, Número Atômico e
Símbolo Químico

Durante muitos anos o chumbo foi usado em tintas e outros produtos domésticos. Tintas com chumbo e poeira contaminada por chumbo são as principais fontes de exposição ao chumbo em crianças na maior parte do mundo. Tintas a base de chumbo foram proibidas na construção civil em 1978. Há uma boa chance de que qualquer centro de atendimento domiciliar, prédio escolar, ou industrial construído antes de 1978 possua aplicação de tintas com chumbo.

O chumbo metálico também é empregado em indústrias, como material de revestimento, na indústria automotiva, revestimento de cabos e está presente em várias ligas. Os óxidos de chumbo são usados em revestimentos vitrificados, esmaltes, vidros e componentes para borracha.

O chumbo tetraetila (Pb3O4)

Os sais de chumbo formam a base de tintas e pigmentos. O nosso tão conhecido “fundo zarcão” tem chumbo, na verdade contém tetróxido de chumbo (Pb3O4), que também é tóxico por conter chumbo.
Um milhão de crianças são afetadas por envenenamento por chumbo anualmente, mas quando você sabe onde encontrar e o que fazer, o envenenamento por chumbo é totalmente evitável.
Chumbo encontrado na tinta

Onde o chumbo tetraetila é encontrado?

A fonte mais comum de chumbo tetraetila é de pintura em casas e prédios construídos antes de 1978 (EUA). O chumbo também pode ser emitido para a atmosfera a partir de fontes industriais, gasolina de aviação com chumbo, e na água potável através de materiais de solda de encanamento e efluentes industriais, sobretudo de siderúrgicas.
É encontrado na atmosfera na forma particulada e as partículas são eliminadas com relativa rapidez por deposição seca e úmida, porém partículas pequenas podem ser transportadas a longas distâncias. Estudos mostram declínio nos níveis de chumbo no ar após a proibição do uso de chumbo tetraetila como aditivo da gasolina em vários países, incluindo o Brasil.
Devido a preocupações com a saúde, as tintas, os produtos cerâmicos, de calafetagem, soldas em tubos e outros foram reduzidos drasticamente nos últimos anos.No Brasil e na União Europeia o chumbo tetraetila está proibido de ser adicionado à gasolina de veículos terrestres. Em seu lugar, usa-se no Brasil álcool anidro a um teor de 20–25%, que é estabelecido pelo Ministério da Agricultura.Porém, este continua a ser utilizado na gasolina de aviação. Com a tecnologia atual, somente é possível atingir um índice de octanagem maior que 100 com viabilidade econômica através da adição do chumbo tetraetila.
O chumbo é também um elemento que ocorre naturalmente. Níveis naturais de chumbo no solo vão de 50 partes por milhão (ppm) a 400 ppm. Mineração, fundição e refino são atividades que resultaram em aumentos substanciais nos níveis de chumbo no ambiente, especialmente perto de mineração e fundição locais.
Chumbo de Bateria

Transporte e níveis ambientais

O chumbo (Pb) é liberado no ambiente por atividade antropogênica, principalmente emissão de fundições e fábricas de baterias.
O chumbo metálico (Pb) pode estar presente na água de torneira como resultado de sua dissolução a partir de fontes naturais, principalmente por tubulações, soldas, acessórios e conexões contendo chumbo. A quantidade de Pb dissolvido a partir de encanamentos depende da vários fatores, como presença de cloro e oxigênio dissolvido, pH, temperatura, dureza da água, tempo de permanência da água na tubulação.
Desde a década de 1980 os estudos têm relacionado concentrações
menores que 10 µg/dL de Pb no sangue de crianças entre 1 e 5 anos com diminuição cognitiva e no QI, com efeitos evidentes em concentrações ao redor de 2 µg/dL. Outros estudos associam a exposição ao chumbo com agressão e delinqüência.
Tetróxido de Chumbo
Material Tóxico encontrado no
“Zarcão”

Os compostos orgânicos de chumbo, como chumbo tetraetila e tetra metila, se comportam como gases no trato respiratório e são mais absorvidos que as partículas de chumbo inorgânico, sendo absorvidos também através da pele.

Outras fontes de exposição ao Pb são cosméticos e remédios caseiros usado no tratamento de diarréia e cosméticos, como maquiagens. O metal está presente também em cigarros em concentrações entre 2,5 e 12,2 µg/cigarro, das quais aproximadamente 2-6% podem ser inaladas pelo fumante. A quantidade do metal no cigarro depende da sua origem.
A Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC) classifica os compostos inorgânicos de chumbo como prováveis cancerígenos para o ser humano (Grupo 2A), com base em estudos com animais que apresentaram tumores renais quando expostos a altas concentrações desses compostos na dieta. O chumbo é classificado no Grupo 2B – possível cancerígeno e os compostos orgânicos de chumbo no Grupo 3 – não classificáveis quanto à oncogenicidade. A classificação no Grupo 3 comumente é usada para agentes para os quais a evidência de câncer é inadequada em humanos e inadequada ou limitada em animais de experimentação.
Problemas relacionados ao chumbo em Crianças
Se não detectada precocemente, as crianças com altos níveis de chumbo em seus corpos podem sofrer de:
·        Danos no cérebro e o sistema nervoso;
·   Comportamento e problemas de aprendizagem, tais como hiperatividade;
·        O crescimento inferior;
·        Problemas auditivos;
·        Dores de cabeça crônicas;
·        Anemias;
Cumulativamente pode
ser carcinogênico
(Rins e Fígado)

·     Em raros casos de envenenamento por chumbo, ingerido, pode causar convulsões, coma e até morte.

Problemas Relacionados ao Chumbo em Mulheres grávidas

As mulheres grávidas podem ser expostas ao chumbo por passar tempo em áreas onde aerodispersóides provenientes de tintas deterioradas (partículas mecânicas) presentes na bases das tintas (tipo zarcão) são inaladas ou ingeridas através de pratos ou copos que contêm chumbo ou usando remédios populares ilegais. Além disso, trabalhar em locais onde o chumbo é usado ou manipulado, como fabricação de vitrais, pode aumentar a exposição.
A exposição ao chumbo é cumulativa no nosso corpo ao longo do tempo e se  aloja em ossos e juntas. Durante a gravidez, o chumbo é lançado na corrente sanguínea a partir de ossos junto com o cálcio materno e pode chegar a formação dos ossos do feto. Isto é particularmente sério se a mulher não tiver quantidade suficiente de cálcio na dieta. O chumbo pode também ser facilmente circulado a partir do fluxo de sangue da mãe através da placenta para o feto. As mães com altos níveis de chumbo em seus corpos podem expor seus fetos em desenvolvimento, resultando em sérios problemas e de desenvolvimento, incluindo:
·     Abortos;
·     Nascimentos prematuros ou baixo peso ao nascer;
·     Dano cerebral, diminuição das habilidades mentais e dificuldades de aprendizagem e / ou;
·     Redução do crescimento em crianças pequenas;
 

Exposição ao chumbo em Adultos

O chumbo é também prejudicial para os adultos. Os adultos podem sofrer de:
·    Problemas crônicos de audição e/ou deficiência visual;
·    Problemas reprodutivos (em homens e mulheres);
·    Pressão arterial alta e hipertensão;
·    Distúrbios nervosos;
·    Problemas de memória e concentração;
·    Coordenação muscular e motora prejudicada (sistema nervoso);

·    Dores musculares e articulares crônicas;

Proteção Respiratória contra o Chumbo Metálico e o Chumbo Tetraetila

Um bom lugar para obter respostas para os tipos de proteção respiratórias mais adequados para cada risco respiratório é a Centro de Prevenção e Controle de Doenças (https://www.cdc.gov), americano.

Segue abaixo as recomendações de proteção respiratória para concentração de chumbo tetraetila (o mais perigoso):

Recomendações do Respirador
NIOSH / OSHA

Até 0,75 mg / m3:

(APF = 10) Qualquer respirador com ar mandado (suprimento de linha ar)

Até 1,875 mg / m3:

(APF = 25) Qualquer respirador de ar fornecido operado em modo de fluxo contínuo

Até 3,75 mg / m3:

(APF = 50)

Qualquer respirador de ar fornecido que tenha uma peça facial justa e seja operado em um modo de fluxo contínuo

(APF = 50)

Qualquer equipamento de respiração autônomo com uma máscara completa

(APF = 50)

Qualquer respirador de ar fornecido com uma máscara completa

Até 40 mg / m3: / APF =  Fator de proteção atribuído 

(APF = 1000)

Qualquer respirador de ar fornecido operado sob demanda de pressão ou outro modo de pressão positiva

Entrada de emergência ou planejada em concentrações desconhecidas ou condições IDLH (sabe o que é condição  IDHL ou IPVS? Clique aqui e conheça):

(APF = 10.000)/ APF =  Fator de proteção atribuído 

Qualquer equipamento de respiração autônomo que tenha uma máscara facial completa e seja operado sob demanda de pressão ou outro modo de pressão positiva.

(APF = 10.000)/ APF =  Fator de proteção atribuído 

Qualquer respirador de ar fornecido que tenha uma máscara facial completa e seja operado sob demanda de pressão ou outro modo de pressão positiva em combinação com um aparelho auxiliar de respiração de pressão positiva.

Fuga

(APF = 50)/ APF = FATOR DE PROTEÇÃ0 ATRIBUÍDO

Qualquer respirador de máscara facial purificador de ar (máscara de gás) com um cartucho de vapor orgânico no formato de queixo, montado na parte frontal.
Qualquer máscara  autônoma de escape.

 

 

LIMITES DE EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL PARA O CHUMBO TETRAEETILA (RESUMO)

1.    NR-15:  0,1 mg Pb/m3     (8 horas por dia)
2.    TLV – TWA (ACGIH): 300mg/m3
3.    TLV – STEL (ACGIH): 500mg/m3
Fontes:
  1. U.S. Environmental Protection Agency. Learn About of Lead. Disponível em: <http://www.epa.gov/lead/pubs/learn-about-lead.html#content>. Acessado em: 28/06/2012
  2. CETESB – COMPANHIA AMBIENTAL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Chumbo. Disponível em: <http://www.cetesb.sp.gov.br/userfiles/file/laboratorios/fit/chumbo.pdf>. Acessado em: 28/06/2012
  3. CURE BYTE. What’s Lead Poison. Disponível em:  <http://trialx.com/curebyte/2011/07/12/what-is-lead-poison/>. Acessado em: 28/06/2012.
  4. BR. FISPQ Chumbo Tetraetila. Disponível em: <http://www.br.com.br/wps/wcm/connect/c9b9b18043a79bc7b8b5bfecc2d0136c/fispq-avi-gasolina-avgas.pdf?MOD=AJPERES>. Acessado em: 28/06/2012